Archive for December, 2009

Crashdïet: “Generation Wild” será lançado em março

Posted in Crashdïet on December 30, 2009 by attheodoro

O seguinte foi postado no MySpace oficial do Crashdïet. O álbum tão esperado que marca o retorno de uma das maiores bandas de sleaze atualmente está finalizado e pronto para ser lançado no fim de março de 2010.

“Estamos orgulhosos de anunciar que o novo álbum do Crashdïet está finalizado! São 10 músicas fodas que estão sendo mixadas pelo bambambam sueco Tobias Lindell. O álbum vai se chamar “Generation Wild” e está marcado para ser lançado em março, pela Gain records. A faixa título estará nas rádios suecas em Janeiro.

Outras faixas serão Native Nature, Chemical, Rebel,Down With the Dust, etc., só para dar uma idéia. O tracklist completo será divulgado dentro de alguns dias! A gravação aconteceu em Gröndal, Suécia, com a equipe da Rampac.

Martin Sweet: Este álbum é definitivamente o retorno ao som e feeling do “Rest in Sleaze”.
Simon Cruz: Um lindo par de bolas suecas!
Peter London: Então, finalmente, este é o som do sleaze sueco em 2010. Mmm, yummy!
Eric Young: Estou muito orgulhoso do nosso bebê que está prestes a nascer, não consigo parar de escutá-lo!”

Entrevista com: Swan – Blackrain

Posted in BlackRain on December 30, 2009 by attheodoro

O site Rock Eyez fez uma entrevista com Swan, vocalista da banda francesa Blackrain, uma das promessas do sleaze europeu. Nessa entrevista, Swan fala do novo álbum da banda, que sairá em março de 2010, e de sua contribuição para o novo álbum do Crashdiet, entre outros assuntos.

Rock Eyez: Oi Swan, obrigado por nos conceder esta entrevista. Como vai?

Swan: E aí, cara! É um prazer falar com você de novo!

RE: Por que vocês assinaram com a Listenable Records sendo que, se olharmos para o catálogo deles, é mais Trash e Death, enquanto o Blackrain é uma banda de sleaze rock?

S: Sabe? Nós tivemos outras propostas e conversamos muito com todo mundo. Depois da experiência ruim que tivemos com a Thundering Records, eu juro que pensamos duas vezes antes de tomar qualquer decisão… O catálogo deles não nos interessa muito, a gente sabe que eles fazem um ótimo trabalho e temos certeza de que conseguiremos ir para frente juntos, isso é o mais importante, na minha opinião.

RE: Eu li no site do Sleaze Roxx (um post por Bazooka Joe) que você contribuiu com o material do Crashdiet. É verdade e, se for, em que músicas?

S: Bem, já que eu fico na casa do Peter quando vou pra Suécia, a gente sempre tenta trabalhar um pouco juntos. Nós não escrevemos muitas coisas, na verdade, só temos algumas músicas inacabadas. Eu escrevi bastante de “Caught In Despair” e também dei pra eles uma música minha chamada “Scream, Burn, Die”. Não sei se eles vão colocá-la no novo álbum, mas um sample dela foi colocado no site oficial.

RE: Eu sou amigo do Heinrich há muito tempo, ele parece um cara muito legal. Vocês fizeram um cover de Sister of Mercy?

S: Claro que ele é legal! Sim, nós fizemos um cover de “No Time To Cry” para a versão japonesa do “License to Thrill”. Eu amo essa música e foi engraçado fazer algo diferente do que costumamos fazer… Eu cantei em um tom mais grave e ficou legal, acho!

RE: O Blackrain foi criado em 2002, ou seja, há sete anos e lançou uma demo de 5 faixas em 2004, chamado “Twilight, Rain and Darkness”. Quanto a banda cresceu de lá pra cá?

S: Tem sido uma evolução constante, nós fizemos bastante coisa, tudo o que pudemos para que a banda crescesse. A gente mexeu nossas bundas pela Europa inteira e pelo Japão para divulgar o nosso nome o máximo possível, a gente passou por muitas complicações, mas aqui estamos com um novo contrato e uma equipe por trás que acredita na banda. Eu acho que todo mundo da indústria francesa conhece o Blackrain agora, muitos nos detestam, mas muitos amam a banda. A gente enfrentou inveja desde o começo, mas nós vamos fuder com todo mundo, estamos aqui para sermos grandes!!!

RE: Vocês planejam trabalhar com o Chris Laney de novo?

S: Estávamos planejando dar-lhe o nosso novo álbum, mas tivemos que mudar os planos na última hora, alguns detalhes… Mas nós gostamos muito do que obtivemos com Mr. Hill!!

RE: Nós resenhamos “License to Thrill”, que é demais e ganhou quatro estrelas no nosso site. Agora vocês estão relançando o CD. Há alguma coisa diferente, tirando a faixa bônus “Baby It’s You”?

S: Não, a não ser a capa, nada é diferente; nós estávamos ocupados demais com o novo álbum para adicionarmos alguma outra música.

RE: Me fala das duas garotas na capa original do “License to Thrill”.

S: hmmm, acho que você está falando da capa do EP “Innocent Rosie”. Não há nada para se dizer, são só duas grandes amigas minhas. Elas são maravilhosas, eu adoro o estilo “sleazy” delas, combina com o EP, he-he.

RE: Você acha que o Blackrain vai tocar nos Estados Unidos em 2010?

S: Eu adoraria! Mas parece complicado, a gente não tem nenhum acordo nos Estados Unidos e precisaríamos de muita divulgação antes de planejar uma turnê. Nós estamos trabalhando duro na Europa e no Japão agora; entraremos em turnê quando o novo álbum sair. Se tivermos sorte, entraremos em contato com alguém nos Estados Unidos em breve. Eu já estive na rádio Knac e eles deveriam continuar tocando nossas músicas para nos ajudar!

RE: Com todas essas bandas de glam e sleaze surgindo na Europa, você acha que o estilo vai voltar nos Estados Unidos também?

S: É difícil falar… Eu acabei de voltar de Los Angeles, estive na Sunset Strip e é claro que as coisas estão bem diferentes agora, mas ainda há muita, muita gente ouvindo sleaze e glam. Há algumas bandas novas boas também… Acho que tudo é possível.

RE: Qual foi o nome da sua primeira banda?

S: Blackrain, hahaha.

RE: Você nunca gravou nada antes do Blackrain, não fazia parte de nenhuma banda?

S: Não, nada!

RE: Conte-me como era o Swan na escola.

S: Depende, mas eu nunca gostei da escola. Era difícil, para mim, me concentrar. Eu raramente tomava nota do que o professor falava, então estava quase sempre bagunçando com meus colegas ou dormindo. Eu também costumava desenhar bastante, haha. Mas aí eu tive que sair da escola muito cedo porque meus pais decidiram que eu devia arranjar um emprego já que a escola não estava me levando a lugar nenhum.

RE: Você se lembra do seu primeiro show?

S: Sim, eu me lembro um pouco. Era uma banda local, eles tocaram alguns covers mas também músicas originais e eu amei. Eu estava lá com Max, na verdade, e, depois do show, eu virei pra ele e falei “Cara, a gente vai fazer uma banda!”. E então o Blackrain nasceu algumas semanas depois.

RE: Qual foi o primeiro CD que você comprou?

S: Estou hesitando entre “Ride the Lightning” do Metallica e o “The Number of the Beast” do Iron Maiden. Se não me engano, eu comprei o do Iron Maiden porque eu gostei da capa.

RE: Que música marcou esse período da sua infância?

S: “It’s so easy” do Guns n’ Roses, a única banda da qual nunca me canso, desde que comecei a ouvir rock n’roll.

RE: Do que acha que a sua família tem mais orgulho?

S: Provavelmente do Blackrain, já que não tem nada além disso… Meus pais me apóiam muito e eu me sinto muito sortudo por isso; alguns dos outros membros do Blackrain não têm a mesma sorte…

RE: Conte-me da primeira vez que ficou bêbado?

S: Bem, eu tinha 14 anos, sabe? Eu não tinha bebido muito e estava provavelmente só me fazendo de bobo! Eu fumei tudo que conseguia achar e vomitei depois…

RE: E a primeira vez que fez sexo?

S: Haha, foi no mesmo ano em que fiquei bêbado pela primeira vez. Não posso contar muita, eu era criança, mas me lembro de ter transado ao som do álbum “Never Mind the Bollocks” do Sex Pistols.

RE: Como é o backstage dos shows do Blackrain?

S: Muitos amigos, muita bebida (se tivermos sorte) e muita diversão… Eu estou me repetindo, mas a gente adora ficar louco!! Sempre acabamos fazendo várias besteiras, então cuidado se você não quiser acordar com uma cicatriz em algum lugar do corpo escrito “Blackrain”, hahaha.

RE: Tocando na Europa, qual é o tamanho médio das casas onde tocam e qual foi o seu maior público?

S: Nós tocamos para umas 200 pessoas, em média, mas pode ser diferente a cada noite. Mais ou menos, depende, você nunca sabe. Acho que nunca tocamos para uma platéia “grande”, mas isso vai mudar logo, com certeza! Ano que vem é o nosso ano!!

RE: Me diga o que acha de cada membro da banda?

S:  Heinrich é um homem de negócios, muito esperto; Max é o cara engraçado que faz todo mundo rir e Iann tem algo especial no seu pênis que faz com que todas as garotas fiquem loucas por ele… A gente se dá bem juntos, a química é boa, vamos botar pra quebrar!

RE: Fale cinco coisas que as pessoas não sabem sobre Swan.

S: essa é difícil. Vamos fazer algo engraçado.

  1. Eu vou fazer 26 anos e ainda moro com meus pais porque não tenho um emprego e gasto todo o meu dinheiro com álcool e tatuagens…
  2. Estou ouvindo Dark Tranquility nesse momento…
  3. Eu amo gatos.
  4. Eu não sei tocar nada além de Blackrain.
  5. Eu me sinto Black metal, haha.

RE: A gente conhece muitas bandas e trabalhamos com muitas bandas de sleaze da Europa. Há alguma banda nova que você acha que temos que escutar?

S: Acho que vocês conhecem até mais do que eu, hehe, mas eu descobri uma banda australiana muito legal chamada The Galavatrons, um tipo de rock velho/novo… Eu acho eles fodas!

RE: Quando podemos esperar um álbum do Blackrain?

S: Em março de 2010, vai se chamar “Overloaded”. Foi gravado, mixado e masterizado no Texas por Beau Hill e, acredite, é muito promissor.

RE: Bom, cara… Eu amo o seu vocal e Blackrain é uma banda foda. Tudo o que posso fazer é desejar-lhes muito sucesso e espero um dia poder vê-los ao vivo e encontrá-los. Você quer dizer alguma coisa para terminar?

S: Obrigado pelo elogio! Bom, eu só espero que possamos tocar nos Estados Unidos em breve, vocês precisam ver o que é estar no backstage com a gente, hehe! Obrigado de novo e até mais, com o nosso novo álbum.

Para ler a entrevista orginial, em inglês, clique aqui.

Vince Neil no Brasil: ingressos à venda

Posted in Mötley Crüe, Vince Neil on December 18, 2009 by attheodoro

Os ingressos para o primeiro e único show de Vince Neil no Brasil, dia 27 de fevereiro no Carioca Club em São Paulo, já estão disponíveis no site da TicketBrasil. As vendas físicas começarão em janeiro.

O Carioca Club fica na Rua Cardeal Arco Verde, 2899, Pinheiros.

Os preços pelo site variam de R$62,19 (pista estudante) a 237,18 (camarote inteira).

Sebastian Bach com participação especial de Michael Monroe

Posted in Hanoi Rocks, Michael Monroe, Sebastian Bach on December 18, 2009 by attheodoro

Este vídeo foi gravado no dia 12 de dezembro de 2009, em Turku, Finlândia. Michael Monroe (ex-Hanoi Rocks) subiu ao palco com Sebastian Bach, que está em turnê pela Europa e, em 2010, fará uma turnê com o Guns ‘n’ Roses pela América do Norte. Os dois fizeram um dueto em “Taxi Driver”, um dos hits do Hanoi Rocks. Vale à pena assistir.

O Hanoi Rocks se separou há pouco tempo, mas Michael Monroe já está gravando seu primeiro álbum solo com o baixista Sami Yaffa, que tocou no Hanoi Rocks nos anos 80 e hoje faz parte da nova formação do New York Dolls.

“Há alguns boatos de que eu e Sami Yaffa estamos trabalhando juntos e fico muito feliz de poder confirmá-lo. Sami Yaffa, de fato, tocará baixo na minha nova banda e no meu novo álbum. Estamos escrevendo algumas músicas juntos e tal. Estamos muito contentes com esse novo projeto, principalmente porque tudo está saindo como uma verdadeira banda, e não eu e alguns músicos de apoio, mesmo que o nome seja Michael Monroe.”

Nikki Sixx : Mötley Crüe agora só em 2011

Posted in Mötley Crüe, Nikki Sixx, Sixx A.M. on December 13, 2009 by attheodoro

O baixista do Mötley Crüe, Nikki Sixx, que completou 51 anos ontem, atualizou seu MySpace:

“Boas festas, todo mundo

[…] Eu estive com as mãos mergulhadas em produtos químicos no meu estúdio de fotografia já que estou trabalhando com um fotógrafo maravilhoso chamado Luther Garlach. Ele vem me ensinando a magia do “wet plate”.

[…]

As novas músicas do Sixx A.M. estão vindo lentamente… É difícil falar da sua música sem parecer que você está fazendo propaganda. Acho melhor deixar que vocês ouçam. Vai ser algo completamente diferente, mas ainda familiar aos seus ouvidos. Mas, honestamente, mal posso esperar para que vocês ouçam!

A sala de música da Covenant House já está funcionando (alguns de vocês conhecem esse projeto como Running Wild In The Night). Com as vendas do The Heroin Diaries e suas contribuições, nós arrecadamos centenas e centenas de milhares de dólares e o dinheiro está realmente sendo usado para uma boa causa. Muito obrigado, especialmente nessa época do ano. As crianças me dizem o tempo todo quanta diferença esse projeto está fazendo na vida delas…

A Kelly Gray teve uma ótima idéia para envolver nossa linha de roupas (Royal Underground) nisso e a gente arrecadou bastante dinheiro e chamou atenção, também. Eu fico muito orgulhoso dessa linha. A gente fica cada vez mais forte e os looks ficam mais refinados. A Kelly é foda.

Sim, estou fazendo um programa de rádio (Sixx Sense) e vai ser foda. Eu me sinto em casa no rádio e tem umas coisas grandes que ainda vão acontecer. Mal posso esperar para que vocês ouçam (e vejam) isso.

Estou feliz por estar fora da estrada, em casa com meus filhos e Katherine. A gente tem alguns shows em alguns lugares, mas nada demais até 2011 e eu acho isso bom. O Mötley Crüe é como um zumbi que não morre, mas até monstros precisam descansar. 🙂

Obrigado pelos parabéns, eu amo todos vocês.

Até mais…

Nikki Sixx

PS: Vocês ouviram o novo álbum do MUSE? Eu e Katherine estamos viciados. Eles merecem ser uma das maiores bandas do mundo. A música é insana e há muito talento e coração naquela banda. Comprem o álbum deles. ”

Clique aqui para ler o texto original em inglês.

Dirty Penny: vídeo de “If I were you…”

Posted in Dirty Penny on December 12, 2009 by attheodoro

Assista ao novo vídeo do single “If I Were You I’d Hate Me Too” da banda Dirty Penny. A música está no novo álbum da banda,”Young & Reckless”, lançado em Setembro deste ano.

Clique aqui para ver o vídeo e aqui para saber mais sobre a banda.

Sleaze no Brasil

Posted in Bastardz, Living Starz, Obsexion, Pink Dolls on December 11, 2009 by attheodoro

Fiz uma seleção de (algumas) bandas brasileiras que tocam Sleaze. É claro que a cena aqui não é tão grande quanto em outros lugares do mundo, mas algumas bandas merecem destaque. Quem sabe elas não são apenas o começo?

Obsexion: Infelizmente, uma das melhores bandas de Sleaze brasileiro se separou este ano. A banda de Nova Friburgo-RJ era formada por Lazzy Catz (vocal), Christopher Peters (guitarra), Markk Starz (baixo) e LC. Drager (bateria). O vocalista Lazzy saiu da banda em Outubro de 2008 e, em fevereiro de 2009, sem ter encontrado um novo vocalista, a banda acabou.

Alguns membros dizem já ter novos projetos: o baterista LC Drager integrou a banda Bastardz e o vocalista gravou uma demo que pode ser ouvida aqui.

A partir de agosto, no entanto, alguns boatos de que a banda estaria voltando (provavelmente com novos membros) começaram a surgir. Nada foi confirmado.

Mesmo assim, vale a pena entrar no MySpace da banda e conferir as três músicas que estão lá : com certeza, é de mais bandas assim que o Brasil precisa.

Pink Dolls : A banda Pink Dolls foi escolhida para abrir para o Hardcore Superstar no dia 21 de novembro de 2009, um show que nunca aconteceu porque, de acordo com o MySpace oficial do Hardcore Superstar, a banda não pôde embarcar para o Brasil. Mesmo assim, a Pink Dolls tocou e lançou, no Manifesto Bar, seu primeiro CD oficial: Dirty Jewels, que contém as músicas “Sleaze, Drunk & Rock n Roll”, “Horror Show” (com participação especial do ex-vocalista do Bastardz, Nat Reed) e o cover de Pretty Boy Floyd, grande influência da banda, “Set The Night on Fire”.

Formada em 2004 pelo vocalista, a banda já passou por várias mudanças e já foi composta até pelo baixista Mid Nite, agora no Bastardz. Atualmente, ela é formada por Shane (vocal), Ti Glam (guitarra) e T. Bone (bateria) e está procurando um baixista fixo.

Acesse o MySpace para conferir essa ótima banda e, para comprar o CD, é só entrar em contato pelo contato@pinkdollsweb.com .

Living Starz: A banda formada por Jansen (vocal e guitarra), Gui Heringer (guitarra), Guille Raff (baixo) e Rodrigo Teixeira (bateria) começou a gravar seu primeiro CD este ano, mas ainda não há previsão de lançamento.

No entanto, várias músicas estão disponíveis no MySpace. Vale a pena!

Bastardz : A banda, mesmo que tenha mudado radicalmente nesse último ano, ainda deve ser reconhecida como uma das maiores (ou talvez a maior) bandas brasileiras do estilo. Formada em 2004, eles já têm um EP (“No Ass No Pass”) e um álbum (“Jungle Outlawz”) que receberam destaque internacional. Este último é, para mim, um dos melhores álbuns já lançados por uma banda brasileira de hard rock.

Agora com os novos integrantes Júnior Inc no vocal e Lc Drager na bateria, além de Danny Poison (guitarra), Thomas Büttcher (guitarra) e Mid (baixo), a banda está compondo em português e buscando sucesso nacional. A primeira música lançada nessa nova fase é “Mal Estar”, que pode ser conferida aqui.