Archive for June, 2009

Twisted Sister: “Stay Hungry” relançado e show no Brasil

Posted in Twisted Sister on June 30, 2009 by attheodoro

Hoje, o “Stay Hungry”, álbum que deu fama ao Twisted Sister, está sendo relançado em uma edição especial de 25 anos. Clique aqui para ouví-lo. O primeiro single, “30” está disponível aqui. O vídeo para o single será lançado no dia 2 de julho.

Além disso, em entrevista ao site glam-metal, Eddie Ojeda, guitarrista, além de comentar o fato do álbum clássico ter sobrevivido a todos esses anos, confirma que a banda planeja tocar o álbum inteiro na próxima turnês, com algumas mudanças de ordem das músicas e outros sucessos incluídos no set-list. Após essa turnê comemorativa, a banda planeja aposentar a maquiagem.

O guitarrista também comenta que a banda fará uma pequena turnê de Natal em novembro e dezembro, e que ele e Dee Snider estão trabalhando no musical “Twisted Christmas” (em outra entrevista postada aqui, Snider conta um pouco da produção do musical e da história inteiramente escrita por ele).

Para ler a entrevista inteira, em inglês, acesse o site glam-metal.

 

O Twisted Sister virá ao Brasil para uma apresentação única em São Paulo, no dia 14 de novembro no Via Funchal.

Para mais informações.

The 69 Eyes: novo single

Posted in The 69 Eyes on June 30, 2009 by attheodoro

O primeiro single do nono álbum de estúdio do The 69 Eyes. “Dead Girls are Easy” está disponível para download neste link

O álbum “Back In Blood” será lançado dia 15 de setembro de 2009.

O track-list será:

01. Back In Blood
02. We Own The Night
03. Dead N’ Gone
04. The Good, The Bad & The Undead
05. Kiss Me Undead
06. Lips Of Blood
07. Dead Girls Are Easy
08. Night Watch
09. Some Kind Of Magick
10. Hunger
11. Suspiria Snow White
12. Eternal

Entrevista com: Chad Cherry – The Last Vegas

Posted in The Last Vegas on June 30, 2009 by attheodoro

O site SleazeRoxx publicou no dia 28 de junho uma entrevista com o vocalista da banda The Last Vegas, de Chicago. Segue a entrevista completa traduzida:

 

Sleaze Roxx: Vocês lançaram “Whatever Gets You Off” há algum tempo, como o álbum foi recebido?

Chad Cherry: O álbum foi lançado no dia 14 de abril, todo mundo com quem eu falei parece ter gostado bastante. A resposta vem sendo melhor que a esperada. Acho isso muito bom, porque nós somos meio undergrounds quando se trata deste tipo de música. Ter tanta gente reagindo positivamente faz a gente pensar que o rock está aqui para ficar.

Sleaze Roxx: Algumas músicas do CD já tinham sido lançadas antes, certo?

Chad Cherry: Certo. Gravamos metade do álbum em Chicago. Material no qual tínhamos trabalhado durante o ano e que também foi lançado independentemente por nós. A outra metade, trabalhamos com DJ Ashba, Marti Frederiksen e Nikki Sixx. Então metade foi a gente em Chicago e o resto foi gravado em Los Angeles, é o melhor dos dois mundos, mesmo.

Sleaze Roxx: Há algumas músicas que não entraram no álbum que vocês estão guardando para o futuro?

Chad Cherry: Sim, claro, somos uma banda muito ativa, trabalhamos constantemente. Quando não estamos na estrada, estamos compondo ou gravando no estúdio. Temos um monte de músicas, o bastante para uns dois álbuns. Temos um monte… Nos não ficamos parados, escrevemos bastante.

Sleaze Roxx: Sou um fã de rock há 24 anos e uma coisa que vi bastante foram bandas lançando um ótimo primeiro CD, mas quando chega o segundo, algo acontece. Eles mudam e vão em uma outra direção. Vou usar o Cinderella como exemplo, o “Night Songs” era bem glam, mas era um ótimo álbum, fenomenal. Quando eles gravaram “Long Cold Winter”, foi outro álbum bom, mas eles mudaram de direção. O The Last Vegas que ouvimos no “Whatever Gets You Off” será o mesmo nos próximos anos?

Chad Cherry: É uma boa pergunta. Nós não tentamos fazer um estilo diferente e tal, nós não estamos indo em nenhuma direção particular. É exatamente isso que fazemos. Não passamos muito tempo pensando no que fazer em seguida. É uma boa pergunta porque…  Há bandas que gravam CDs e normalmente o material antigo é melhor que o novo e no fim da carreira você não compra mais nada deles. Como eu disse antes, estamos compondo muita coisa e o próximo álbum terá músicas que são ainda mais velhas do que as que estão no primeiro CD. Músicas muito, muito boas de rock que nós sabemos que agradarão aos fãs e, claro, que nos agradam. Acho que a direção para a qual estamos indo é mais ou menos a mesma de agora. Tocamos apenas rock n’ roll e acho que não mudaremos isso nem faremos as coisas de outro jeito.  

Sleaze Roxx: Como fã, isso é legal. Eu amo o álbum, para mim é o álbum do ano. É um clássico do começo ao fim.

Chad Cherry: Demais, cara. Valeu. 

Sleaze Roxx: Quando li a lista de todas as pessoas envolvidas em “Whatever Gets You Off”,  fiquei chocado. Quando se tem tanto cozinheiro na cozinha, o resultado pode ser desastroso. Por quê funcionou tão bem com vocês?

Chad Cherry: Acho que a maioria das pessoas estava um pouco desconfiada porque temos nosso estilo próprio e nosso som diferente. Acho que o principal motivo para ter dado tão certo foi que todos trabalharam como um time e também o fato de serem todos roqueiros veteranos e saberem exatamente o que nós éramos e o que queríamos. Acho que o fato de eles não tentarem mudar nosso som nem nada ajudou bastante, eles o mantiveram agressivo. Eram caras legais e foi ótimo trabalhar com eles no estúdio, acho que vou definitivamente trabalhar com eles de novo. Eles não quiseram tirar nada do que já tínhamos estabelecido, era tudo pela música; eles não queriam nada além de fazer um álbum de qualidade. 

Sleaze Roxx: Você acha que Nikki Sixx teve inveja do tanto de energia e espontaneidade que o “Whatever Gets You Off” possui?

Chad Cherry: (Muitas risadas) Acho que Nikki Sixx não tem muito do que ter inveja, cara! Ele é um cara muito legal, tudo que ele tem foi porque ele trabalhou para ter, cara. Acho que ele vê nosso potencial, ele conhece e gosta e aí tivemos a oportunidade de trabalhar com ele e sua gravadora. Não posso agradecer o bastante, ele é uma ótima pessoa, um bom amigo e, como você sabe, um ótimo compositor. E ele é completamente obscuro e mau! (risos) O que eu amo!

Sleaze Roxx: Vocês abriram para o Mötley Crüe ano passado. Já que metade dos Mötley não está mais fazendo tanta festa, eles limitaram a festa de vocês?

Chad Cherry: É uma troca, sabe? Você pode fazer o que quiser desde que não passe dos limites ou machuque alguém. Você entra numa turnê grande dessas e as pessoas estão prontas para processar qualquer um a qualquer ponto. Então você tem que ficar esperto, não virar um idiota festeiro. Você tem que respeitar o show e o que está acontecendo. Só pediram para a gente ter juízo e manter as coisas sob controle.

Sleaze Roxx: Porque o The Last Vegas não esteve no Cruefest II? Eu pessoalmente acho que vocês seriam melhores do que duas das bandas que vão tocar.

Chad Cherry: Essa pergunta é bem relevante, mas eu não tenho a resposta. Eu sei que vamos fazer uma grande turnê durante o verão [inverno no hemisfério sul] e começo do outono [primeira]. Eu não tenho certeza porque não estamos no Cruefest, mas ouvi dizer recentemente que talvez tenha um segundo palco e talvez possamos tocar, ou não. Não posso confirmar nada.

Sleaze Roxx: Bom, acho que podemos esperar pelo Cruefest III, então?

Chad Cherry: É, bem, vamos ver. Temos muita coisa pra fazer, costumamos sair do continente umas duas vezes ao ano e fazemos shows sozinhos. Então faremos algo com algumas bandas maiores, o que vai durar o verão inteiro. Ficaremos na ativa, fiquem de olho.

Sleaze Roxx: Como foi a experiência de mudar dos clubes para as arenas? Qual você prefere?

Chad Cherry: Quer saber, se eu estiver no palco, já estou feliz, é o que importa. Enquanto puder cantar na frente das pessoas, eu darei meu máximo. Como banda, nós somos do tipo que dá o mesmo show para 2 000 ou 20 pessoas, você sempre terá o mesmo rock n’ roll agressivo. Eu amo tocar em arenas, claro, quem não ama? Mas também amo a intimidade dos clubes. Onde quer que seja está ótimo para mim, mas é claro que o Madison Square Garden é um ótimo lugar para se tocar.

Sleaze Roxx: Com os clipes musicais perdendo a popularidade hoje em dia, para divulgar um CD, vocês tiveram que convencer a gravadora a lançar um? O que você acha do resultado final de “Loose Lips”?

Chad Cherry: Nossa gravadora tem sido maravilhosa, eles nos deram liberdade criativa com os vídeos e quando precisamos de ajuda, eles estão lá. Acho que hoje em dia você tem que ter toda a imagem. Sempre precisou, mas acho que ficou mais fácil para as pessoas entrarem no Youtube e assistirem aos nossos vídeos lá.  Estamos ativamente fazendo vídeos para o álbum todo. O primeiro, “I’m Bad”, foi filmado em Chicago em um dos nossos lugares preferidos. O segundo, nós fizemos várias tentativas. Acho que ficou decente, nosso guitarrista Adam Arling e eu o editamos, está lá e eu gosto. Tem um ar de um Stones barato dos anos 80, acho que foi bom para a música. Temos muita coisa, vídeos, turnês e a gravadora está sempre conosco.

Sleaze Roxx: Bem, Chad, obrigado pela entrevista. Eu adoro o CD. É uma volta ao…

Chad Cherry: Hair rock?! (Risos) 

Sleaze Roxx: Eu não acho. 

Chad Cherry: Obrigado. 

Sleaze Roxx: Acho que é um bom e simples rock n’ roll.

Chad Cherry: Sabe, a gente ouve bastante disso, “ei, vocês são cock rock.” Eu penso “bom, temos o cabelo e temos as bolas…” Se há algo que eu sempre achei que fôssemos, é mais uma coisa anos 70 do que qualquer outra coisa.

Sleaze Roxx: Eu os vejo mais como Stones misturado com New York Dolls, boa música.

Chad Cherry: Acho que as pessoas não sabem como nos catalogar porque a última vez que se ouviu algo assim foi nos anos 80. As pessoas têm a necessidade de catalogar tudo, não acha? Eu concordo com você, somos apenas rock n’ roll.

Sleaze Roxx: Acho que o Buckcherry teve esse problema quando foram lançados, também.

Chad Cherry: Exatamente. 

Sleaze Roxx: Bom, obrigado de novo. 

Chad Cherry: Obrigado pela entrevista e pelo apoio e venha nos ver tocar, nós adoraríamos.

 

Para saber mais sobre a banda, MySpace.

Black Stone Cherry: novo vídeo

Posted in Black Stone Cherry on June 30, 2009 by attheodoro

A banda americana Black Stone Cherry acaba de lançar um vídeo para o single “Things My Father Said”. Assista aqui:

Download Festival: breve resenha

Posted in Backyard Babies, Black Stone Cherry, Buckcherry, Def Leppard, Hardcore Superstar, Journey, Mötley Crüe, Million Dollar Reload, Steel Panther, Tesla, Whitesnake on June 29, 2009 by attheodoro

O Download Festivala 2009 aconteceu em Donington, Reino Unido, entre os dias 12 e 14 de Junho. Segue abaixo a tradução de uma resenha feita pelo site Hairmetaland.

 

O glam novo e antigo teve bastante espaço na edição de 2009 do Download Festival.

Começou na sexta-feira com o Backyard Babies no Turbog stage. Como sempre, a banda sueca apresentou um ótimo set misturando músicas velhas e novas. Foi uma apresentação boa e o “Minus Celsius” obteve a já prevista boa reação do público.

Eles foram, sem dúvida, um bom aquecimento para o Mötley Crüe no segundo palco. Havia rumores de que o Crüe tocaria todo o “Dr. Feelgood” em todas as datas européias. Não foi o caso. Eles tocaram as bem conhecidas “Wildside”, “SOS”, “Shout at the Devil” e uma boa surpresa, “On With the Show”. Algumas novas como “Motherfucker of the year” e “Saints of Los Angeles” também estavam lá. O Crüe estava bem em forma e o público definitivamente se divertiu. A única coisa ruim foi que eles demoraram tanto para voltar ao encore com “Home Sweet Home” que muita gente, inclusive eu, pensou que o show estivesse acabado e foi embora para o palco principal ver o Faith No More.

Sábado parecia um pouco apagado para o glam, mas o Hardcore Superstar estava lá para compensar! A banda que perdeu o show no Download há dois anos porque o ônibus quebrou tocou este ano principalmente material novo. Eu não consigo me lembrar de ter visto alguma banda com tanta energia no palco. Músicas como “Bag on your head” e a última “We Don’t celebrate Sundays” foram fantásticas. Eu gostaria de ver esses caras com um set maior, acabou muito rápido.

Domingo teve Tesla. “Breaking Free” e “What you give” foram destaques. Não acho que um set de 30 minutos deveria incluir um solo de guitarra, mas isso não impediu os roqueiros de mandar bem durante as 12 músicas!

Após isso, o Million Dollar Reload subiu ao palco. O show começou bem com “Fire your guns”. Eu não conseguia acreditar na reação do público, que cantava em voz alta “Goodnight Tonight New York” e “Living in the City”. A energia e a presença de palco da banda mereciam um palco maior e espero que seja o caso ano que vem! Fantástico.

Depois fomos ver Black Stone Cherry. Eu queria muito ver os caras após ter visto um show muito fraco deles em Belfast ano passado. Desta vez, foi diferente, um ótimo desempenho dos caras. Foi legal ver tanta cabeça sendo balançada durante “Lonely Train” e, apesar de eu odiar ter que admitir isso, “Things my father said” me fez chorar.

Passamos no bar rapidamente antes de ver o Journey subir ao palco. O front man Arnel Pineda fez um trabalho fantástico sem deixar o clima esfriar hit após hit. Uma coisa ruim, eles só tocaram 8 músicas! Mas foram oito maravilhas, “Change for the Better” e “Wheel in the sky” foram boas e os destaques ficaram para o final. Foi fantástico ouvir todo mundo cantando junto “Don’t stop believing” e “Anyway you want it”. Um encore teria sido legal, mas acho que eles não tinham tempo. Depois desse show, eu mal posso esperar para vê-los de novo.

Fomos para o palco Turbog ver o Steel Panther. Infelizmente, nós subestimamos o poder do hard rock oitentista deles, assim como a direção. Não conseguimos chegar perto o bastante para ver o show. Derrotados, decidimos ir para o segundo palco ver…

Buckcherry. Os caras pareciam entusiasmados com as novas músicas do “Black Butterfly”. Pessoalmente, eu gostaria de poder ouvir mais músicas do primeiro CD, mas pela reação do público, todos estavam amando. A coisa perdeu fôlego durante “Sorry”, mas depois eles voltaram com tudo até o fim do set com “Crazy Bitch”.

O quê dizer sobre o Whitesnake? Foi a terceira vez que vi Coverdale e companhia nos últimos anos e as coisas não mudaram muito. O set, o palco e até a camiseta do Coverdale eram os mesmos. A única coisa que mudou foi o line-up. Clássicos como “In the still of the night” e “Here I Go again” foram recebidos com a alegria familiar do público. Tenho que admitir que a versão lenta acústica da minha música preferida deles, “The deeper the love”, está me cansando. Para uma banda com tanto material fantástico, acho que eles podiam misturar um pouco mais.

A última banda do fim de semana foi Def Leppard. Tudo começou como previsto. Um público bem variado cantando hinos como “Rocket”, “Photograph” e “Animal”, baladas como “Two steps behind” e “Love Bites” e a nova “C’mon C’mon”. Não havia lugar para tédio naquele show até o fim, fechando o festival com a previsível, mas inevitável “Let’s get rocked”.

 

Para assistir a trechos dos shows do festival, acesse o site oficial. É possível assistir a algumas músicas do Def Leppard, Journey, entre outros.

Rest in Sleaze: Blackrain será banda principal

Posted in 44 Caliber, BlackRain, Breakdown, Crimson Outlaws, Damaged Dolls, Danger, Fatal Smile, Gasoline Queens, Leaded Fuel, Major Scandals, Mama Kin, Panzer Princess, Sister, Speed Parade, Vanity BLVD, Wacky Vamps, Znakeskin on June 28, 2009 by attheodoro

O festival Rest in Sleaze foi criado em 2007 como homenagem ao falecido Dave Leppard, vocalista original do Crashdïet. Lisbeth Hellman, mãe do vocalista, criou o festival com o intuito de ajudar bandas do mesmo estilo que o de seu filho, o sleaze.

A edição de verão de 2009 acontecerá dia 25 de junho e contará com as bandas:

Blackrain
Breakdown
Fatal Smile
Sister
Mama Kin
Gasoline Queen
Damaged Dolls
Vanity BLVD
Danger
Wacky Vamps
Leaded Fuel
44 Caliber
Crimson Outlaws
Panzer Princess
Znakeskin
Speed Parade
Major Scandals

A última edição aconteceu em janeiro de 2009 e contou com bandas como Babylon Bombs e Crazy Lixx, além de outras menos conhecidas como Redlight Attraction.

Entrevista com: Nicki Kin – Vains of Jenna

Posted in Vains of Jenna on June 28, 2009 by attheodoro

O site glam-metal.com entrevistou recentemente (24/6) o guitarrista Nicki Kin, da banda sueca Vains of Jenna. A banda está prestes a lancar seu novo álbum, ainda sem nome definido. Ouça ao primeiro single, “Get it on”, aqui.

 

GM: Nicki, obrigado por conversar com o GlamMetal.com. O Vains of Jenna está se preparando para uma turnê na Costa Oeste. O que os fãs podem esperar da turnê? A banda tocará algum material novo?
NICKI: Sim, o set list está um pouco diferente agora. Tocamos 4 ou 5 músicas novas a cada show. Tocamos as velhas também, claro, então é legal poder misturar um pouco.

GM: Quanto tempo durará a turnê? Vocês vão tocar na Costa Leste este verão?
NICKI: Não temos nenhuma data confirmada ainda, por enquanto temos apenas alguns shows espalhados pela Califórnia e Arizona. Nosso novo álbum acabou se ficar pronto então focaremos  nele e depois, talvez, faremos algumas turnês maiores.

GM: Pelos últimos 8 meses, o VoJ tocou pela Europa. Como foi voltar para a Suécia e tocar no Sweden Rock Fest.
NICKI: Todos os shows na Europa foram muito bons, nos divertimos, mas o Sweden Rock foi foda. Foi um sonho que se tornou realidade!

GM: Agora a banda esteve em estúdio. O álbum está pronto? Quando vai ser lançado?
NICKI: Está pronto, não sabemos quando será lançado, mas esperamos que seja no outono [primavera no hemisfério sul]. Estou muito ansioso para mostrá-lo ao mundo. Na verdade, nosso primeiro single “Get it On” está no nosso MySpace e daqui há algumas semanas estará no iTunes.

GM: Qual será o título do CD?
NICKI: Temos alguns, não decidimos ainda qual será.

GM: Como você acha que o VoJ evoluiu desde o primeiro CD e isso influenciou o novo CD?
NICKI: Bom, acho que de tanto tocar ao vivo nós ficamos melhores e se você ouve música boa, é provável que melhore como compositor/músico. Você fica inspirado e boa música quer dizer John Lennon, Pink Floyd, Queen, entre outros.

GM: Você poderia dar aos fãs uma prévia das novas músicas? 

“Mind Pollution”- Compus essa bem rápido, acho que tudo surgiu em uns 30 minutos… É ótima de se tocar! 

“Everybody Loves You When You’re Dead” – Costumamos abrir nosso set com essa,agora. É apenas uma música foda de rock n’ roll!

“Yesterday” – Se chamará “I Belong To Yesterday” na verdade e eu a compus na minha cabeça enquanto andava por Melrose no verão passado.

GM: Você está ansioso por voltar aos Estados Unidos? Como descreveria a cena musical de Los Angeles hoje em dia?
NICKI: Acho que existem muitas bandas boas, mas não é fácil para ninguém hoje em dia conseguir ir a algum lugar e tal. A indústria esta meio ferrada.

GM: Alguma aventura que gostaria de compartilhar, desta turnê européia?
NICKI: Bom, muitas after parties no hotel.

GM: Como guitarrista, quais são suas influências?
NICKI: Meus guitarristas preferidos sempre foram Dave Gilmour, Slash, Keith, um monte de guitarrista velho de blues também. Mas eu ouço vários tipos de música como Beethoven ou qualquer coisa que me dê idéias.

GM: Nicki, obrigado pela entrevista e espero encontrá-los na Estrada este verão. Há algo mais que queira dizer aos fãs?
NICKI: Ouçam a nova música no MySpace e iTunes. Esperem pelo novo álbum! Muito obrigado!